Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz!(Jo 14,27)

19 de maio de 2020

 

 

Jesus é o Príncipe da Paz e vem trazer essa paz para nós. Não é simplesmente a ausência de guerras ou de pandemia, mas a paz que nos dá a certeza que Ele está vivo no meio de nós. É a paz fruto do Espírito Santo, a paz inquieta que nos leva a sair de nossa zona de conforto e abrasar o mundo, como canta o Padre Zezinho SCJ:

 

Eu trago esta paz inquieta, feita de trevas e de luz,

Desde que eu sigo os caminhos, de um profeta chamado Jesus.

Em paz pela juventude, pelos adultos também,

E por aquelas virtudes que meu povo nem sabe que tem.

Inquieto por tanta gente que não se inquieta jamais,

E pelos caminhos do mundo eu sigo inquieto, mas vou em paz.

 

 

Nós temos a ilusão de achar que a paz de Cristo nos trará o fim de todos os nossos problemas e dificuldades. Que não teremos desafios no ordinário da vida como problemas financeiros, familiares, profissionais, emocionais ou afetivos. Não! Essa não foi a promessa de Jesus. A paz que Ele nos traz é a certeza de sua presença constante em nossa vida, mesmo que a tempestade esteja forte e o mar da vida agitado, Ele nos prometeu: “Estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos!” (Mateus 28,20)

 

 

A paz que o mundo dá é a simples ausência de conflitos, pois ela não nos leva a vencer os desafios do dia a dia, mas nos convida à permissividade, e muitas vezes nos seduz com a expressão Fazer o quê? É a vontade de Deus. E com isso vamos tornando-nos passivos diante das realidades que precisam ser transfiguradas ao nosso redor e nos escondemos em nossa zona de conforto, nos castelos que construímos, e não deixamos a paz, que Ele nos trouxe, acontecer.

 

 

Eu fico imaginando …

– E se a grande Santa Teresa de Calcutá ficasse quieta no seu canto enquanto a paz inquieta do Ressuscitado gritava em seu coração. Quantos filhos de Deus deixariam de ser assistidos pelo mundo afora.

 

– E se São Paulo, à caminho de Damasco ficasse lamentando a sua cegueira e a queda do cavalo ao invés de se deixar ser levado pelo amor de Cristo para se encontrar com Ananias? Como ele mesmo disse “Caritas Christi urget nos! – o amor de Cristo nos impulsiona!” (2Cor 5,14)

 

– E se o Padre José Kentenich assinasse a solicitação de um novo exame médico que o atestasse incapaz para os trabalhos forçados no Campo de Concentração de Dachau em 20 de janeiro de 1942? E se ele não oferecesse sua liberdade pela liberdade da Família? Se ele sufocasse essa paz inquieta que o Cristo Heroico inflamava o seu coração?

 

 

A paz que Jesus Ressuscitado nos traz constrange-nos a sermos instrumentos aptos nas mãos da Mãe de Deus, constrange-nos a sermos instrumentos de transformação. Santa Catarina de Sena nos diz que “Se formos aquilo o que Deus quer, colocaremos fogo no mundo!” E esta é a nossa vocação, abrasar o mundo com a chama viva do amor de Deus.

 

 

Estamos sedentos da paz que Jesus veio trazer. Mesmo em desafios e diante de obstáculos não perderemos a serenidade, pois sabemos em quem colocamos a nossa confiança. O nosso Fundador e Pai passou por desafios imensos, enfrentou duas guerras, foi exilado por 14 anos, mas mesmo assim ele não perdeu a paz e a confiança cega que a Mãe de Deus seria vitoriosa, por isso deu a Mãe Rainha o título de Vencedora: “Se até agora deixamos crescer a invocação por parte: Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, queremos invocá-la, a partir de agora, ofertando-lhe um memorial, como a Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt” (Pe. Kentenich, 02/06/1966).

 

 

“Não se perturbe e nem se intimide o vosso coração.” (Jo 14,27b)

O mundo e o tentador querem roubar a nossa paz. Os meios de comunicação derramam uma enxurrada de notícias tóxicas sobre nossas famílias. Nós somos constantemente assediados com falsas verdades que insistem em retirar a nossa segurança. Querem nos fazer perder nossas relações familiares e nossos valores.

 

Nós vivemos num mundo estranho à pedagogia do alto, o natural está caminhando no sentido oposto ao sobrenatural, o servo de Deus está cansado não encontrando repouso. Santo Agostinho dizia que: “Fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em ti.” O nosso repouso seguro está em Deus, Ele é o Pastor que nos conduz e em verdes pastagens nos faz repousar. (Salmo 22) Que nosso coração encontre este descanso em Deus através do colo da Mãe. “Não se perturbe e nem se intimide o vosso coração,” ficai firmes na fé e na esperança pois ela não nos decepciona, em Jesus e Maria somos também vencedores.

 

“Tu és a límpida fonte de paz, o vínculo que une todos os povos, o poder que vence a discórdia, a luz que ilumina e aquece. (Pe. José Kentenich)

 

Imagem de michel kwan por Pixabay 

Por Kennedy Rocha

* Kennedy Rocha pertence ao Ramo da Liga de Famílias de Schoenstatt do Santuário Tabor da Liberdade

 

Compartilhe

© 2020 Schoenstatt. Todos Direitos Reservados

Weblite